Desenho original

A Disney tem, certamente, personagens amados por todas as idades e até a chegada dos videogames, o consumo destes mesmos se dava através quase que integralmente pela TV, VHS e cinema.  A SEGA ajudou, e muito, a Disney neste quesito, com uma parceria ímpar na criação de títulos para os seus consoles dos 8 e 16 bits, da mesma forma outras empresas contratadas pela Disney. Entre elas a Sunsoft, responsável por Beauty & The Beast para o Mega Drive.

A cada longa metragem de animação lançado, havia sempre um movimento por parte da Disney de criar um jogo daquele desenho, foi assim com , The Little Mermaid desenvolvido pela Blue Sky Software e lançado pela SEGA – com versão exclusiva para o Master System no Brasil lançada pela Tec Toy -, com The Lion King, desenvolvido pela Westwood Studios e lançado pela Virgin Interactive, entre tantos outros.

Alguns títulos se aproximavam bem dos filmes nos quais eram baseados. Outros, por conta da essência do longa não caber dentro de um jogo per se, foram extremamente adaptados para os videogames e este foi o caso do Beauty & The Beast, para o Mega Drive.

Um filme, dois jogos

Num momento da década de 1990, onde as empresas criavam produtos para alcançar um público especifico. A Disney optou, juntamente com a Sunsoft, na criação de dois jogos baseados no filme Beauty & The Beast.

BEAUTY & THE BEAST
Belos cenários no Belle’s Quest

Um deles, Beauty & The Beast: Belle’s Quest, era voltado para o público feminino, onde as jogadoras controlariam a Belle na sua jornada até o castelo da Fera e mais além, seguindo o roteiro do desenho animado.

Cenários mais soturnos em Roar of the beast

Enquanto que Beauty & The Beast: Roar of the Beast, era voltado para o público masculino, onde os garotos controlariam a Fera seguindo, em algum momento do título, o roteiro do longa metragem.

Da Busca ao Rugir

Belle’s Quest é um título voltado para uma plataforma de exploração, onde, por meio da resolução de alguns quebra-cabeças e o uso moderado da habilidade de jogos de plataforma, o jogador avança de acordo com o roteiro desenho animado – ao ponto que a cada fase vencida, há várias cenas que servem para explicar o avanço do jogo.

Roar of the Beast dá ao jogador o poder de rugir e desferir socos contra os muitos inimigos que existem no castelo da Fera e em outros locais perigosos, tornando-o um jogo mais de ação.

Uma breve Melodia

Os dois jogos utilizam como base a trilha sonora do filme em questão, esta criada por Alan Menken, que também produziu a trilha sonora de The Little Mermaid e Aladdin, para citar alguns filmes.

Versão do Mega Drive
Versão do longa metragem
Dos belos detalhes

Os dois jogos tem uma animação bem fluída e cenários ricos. Enquanto que o do Belle’s Quest são mais vivos e vibrantes, em consorte com a personalidade de Belle, o de  Roar of the Beast tem cenários bem mais soturnos ligados diretamente a Fera.

BEAUTY & THE BEAST
Um dos cenários em Belle’s Quest

Ainda assim, o trabalho criado pela Software Creations tanto nos cenários como na animação dos personagens deu uma amostra do zelo que a empresa teve em transpor o longa metragem na telinha da televisão.

Uma boa tradução

Os dois jogos, Beauty & The Beast: Roar of the Beast e Beauty & The Beast: Belle’s Quest, foi um trabalho competentíssimo por parte da Criative Software com a ajuda da Disney Software em trazer um pouco da emoção que muitos tiveram ao assistir ao clássico da Disney nas salas de cinema.

E você, já jogou algum destes dois títulos?