Categoria

Memória

Categoria

Genesis Does What Nintendon’t – Criando uma campanha publicitária genial!

Como a maioria dos fãs deve se lembrar, a indústria de videogames nos anos 90 foi marcada pela guerra travada entre Sega e Nintendo e seus respectivos consoles 16 Bits. No final das contas, o grande vencedor foi o consumidor, que ganhava jogos cada vez melhores e com preços mais acessíveis. A Nintendo dominou o mercado mundial de 8 Bits, mas a Sega chegou decidida a emplacar o Mega Drive no mercado, algo que conseguiu com sucesso no Estados Unidos – o maior mercado de games da época, junto com o Japão. Mas tal empreitada não foi fácil para o Sega Genesis (como era conhecido o Mega Drive nos EUA), e para isso a Sega of America (SoA) teve que mudar totalmente suas campanhas de Marketing e Publicidade, antes usadas para o Master System, para conquistar o público norte-americano. Michael Katz era o CEO da SoA quando o Genesis foi…

Sonic the Hedgehog – Nasce um ícone no mundo dos games!

No início da década de 1990, a Sega procurava um personagem que pudesse simbolizar e traduzir bem seu perfil como uma companhia de games (uma das maiores da época, diga-se de passagem), assim como pudesse representar o Mega Drive, que já estava no mercado e fazia grande sucesso especialmente nos EUA (como o Genesis). E assim, com toda essa pressão, nasceu “Sonic The Hedgehog”, que tomava para si esta difícil tarefa. O ouriço esteve mesmo disputando com o Mario da Nintendo pelo título de “melhor mascote” pelos saudosos anos das décadas passadas, em uma concorrência que gerava um show de criatividade e inventividade que marcaria época. Antes de a empresa tornar-se softhouse dedicada à produção de jogos, Sonic era franquia exclusiva para aparelhos fabricados pela Sega. Não se sabe se é por isso, mas os jogos do Sonic naquela época tinham um ar muito mais exclusivo e especial. E foi justamente…

Beyond Oasis – O RPG de ação exclusivo para Mega Drive que fez a concorrência chorar!

Lançado em 1994, “Beyond Oasis” (também conhecido no Japão como The Story of Thor) não é apenas um RPG, mas também um jogo que mistura ação com uma pitada de pancadaria ao estilo “Streets of Rage”, resultando em um título incrível que exala criatividade e diversão por todos os seus poros. O jogo teve produção da empresa de Yuzo Koshiro (isso mesmo, o lendário compositor que fez as trilhas sonoras de Streets of Rage e The Revenge of the Shinobi), a Ancient, com supervisão da Sega. A irmã de Yuzo, Ayano Koshiro, foi a responsável pelo design dos personagens, então agradeçam à moça pelo excelente trabalho. O jogador assume o comando do jovem aventureiro chamado Príncipe Ali, que explora uma ilha e encontra um artefato mágico chamado Gold Armlet (Bracelete Dourado). Um espírito então aparece diante de Ali e diz: “Muitos anos atrás, uma batalha devastadora ocorreu nas terras do…

Conheça as incríveis pinturas de Boris Vallejo e Julie Bell que serviram de capa para jogos clássicos

Você talvez não saiba quem é Boris Vallejo, mas se é fã de games é muito provável que já tenha visto seu incrível trabalho de ilustrador em games clássicos como “Golden Axe II”, “Golden Axe III”, “Ecco the Dolphin” e “Phantasy Star IV”. Nascido em Lima, Peru, em 1941, Vallejo começou a fazer ilustrações aos 13 anos e teve seu primeiro trabalho profissional apenas com 16. Ele frequentou a Escola Nacional de Belas Artes do Peru antes de imigrar para os Estados Unidos em 1964, onde trabalhou com personagens de quadrinhos populares da época como Tarzan, Conan o Bárbaro, Doc Savage e vários outros personagens, em sua maioria com temas de fantasia e ficção científica. Não demorou muito para que o artista ficasse bem conhecido pelo seu estilo surrealista/hiper-realista, com destaque para personagens musculosos e mulheres voluptuosas – em especial bárbaros, mulheres guerreiras, bruxas e monstros. Logo surgiu convite de…

Prepare a nostalgia e confira entrevista com Luiz Curado, vencedor do campeonato da Supergame em 1992

No Mês passado postamos em nossas redes sociais um vídeo – assista abaixo – de uma reportagem  sobre  a Primeira Olimpíada Brasileira de Videogames, realizada pela Supergame em 1992 e contando com 18 competidores – 17 garotos e uma menina. Percebemos que a nostalgia desse torneio bateu forte em nossos leitores, então  procuramos e encontramos um dos competidores, o Luiz Reginaldo Almeida Fleury Curado,  que venceu o campeonato na categoria Master System. Ele nos passou um relato detalhado de como foi essa experiência inesquecível, que contou como prêmio uma viagem para a Disney! Prepare a nostalgia e venha com a gente voltar para a década de 90 por meio das lembranças do Luiz desse inesquecível torneio! *Alguns anos atrás o Luiz contou sua história para o Daniel Lemes do site Memória Bit, junto com outros participantes, vale a pena dar uma conferida! ENTREVISTA Luiz, conte sua história com os videogames…

A Bola da Copa

A Copa do Mundo na Rússia começa oficialmente nesta quinta-feira (14) com a partida ente Rússia contra a Arábia Saudita, o primeiro jogo do torneio. A estreia do Brasil está marcada para o próximo domingo (17), contra a Suíça, em Rostov. Talvez você não se lembre, mas durante a Copa do Mundo de 1990, sediado na Itália, a Tectoy lançou “A Bola da Copa”, um brinquedo com sensores e sistema de sonorização, que quando tocados pela palma da mão (semelhante à Estrelinha Mágica, também lançada pela Tectoy na época) reproduzia a música “Papa Essa Brasil”. A bolinha foi criada especialmente para a Copa do Mundo de 1990 pelo designer alemão naturalizado brasileiro Hans Donner, mais conhecido pela criação do logotipo da Rede Globo, no Brasil, além de ser responsável por várias vinhetas e peças de abertura de muitos dos programas da emissora. Abaixo você confere um vídeo do colecionador Ricardo…

#Tectoy30Anos – Veja 5 Curiosidades sobre a Tectoy que talvez você não saiba!

O mundo dos videogames é repleto de curiosidades, e com a Tectoy não poderia ser diferente nesses 30 anos de estrada! Em mais um post para celebrar essas três décadas de grande sucesso, o Blog Tectoy traz para os seus leitores cinco curiosidades que talvez vocês não conheçam, confiram logo a seguir! 1 – Você Sabia que a Tectoy já foi capa da revista Exame (edição 519, novembro/92): 2 – Você sabia que o Mega Drive da foto da embalagem original nunca foi produzido? – O MD estava com um logotipo “MEGA DRIVE” que provavelmente só foi produzido pra essa foto. 3 – Você sabia que o braço robótico Armatron foi o primeiro produto produzido pela Tectoy? 4 – O jogo preferido do Presidente do Conselho de Administração, Stefano Arnhold, é “Ayrton Senna´s Super Monaco GP II”? 5 – Você sabia que o novo Mega Drive contém um segredo que…

#Tectoy30Anos – Relembre 10 brinquedos marcantes lançados pela Tectoy!

Como a maioria sabe, não foram apenas com os idolatrados videogames da Sega que a Tectoy fez o seu no me no mercado brasileiro. Desde a sua fundação, foram muitos os brinquedos eletrônicos lançados por aqui – alguns como os Carrinhos de Controle Remoto e Bonecas já vimos com detalhes -, desde a icônica Pistola Zillion até itens inusitados, como a Estrelinha Mágica da Turma da Mônica e o braço robótico Armatron. Para comemorar os 30 anos da empresa, o Blog Tectoy faz uma viagem no tempo e traz alguns desses marcantes brinquedos para você relembrar! Pistola Zillion Pense Bem Ursinho Teddy Ruxpin Estrelinha Mágica Agendas Eletrônicas Armatron Minigames Sapo Xulé Sonic de Pelúcia Turbo Video Driver

#Tectoy30Anos – Sonho das meninas! Relembre das Bonecas Eletrônicas lançadas pela Tectoy nos anos 90!

O Master System Girl não foi a única investida da Tectoy para atingir o público feminino no Brasil. Vários tipos de bonecas foram lançadas, e claro, seguindo o padrão dos brinquedos da Tectoy, elas vinham com novidades eletrônicas que permitiam que elas falassem, movessem os olhos, boca, as mãos entre outras interações. Desde bebês fofinhos com os quais as meninas brincavam de ser mamães até bonecas mais crescidinhas, que falavam mais de 100 frases, eram o sonho de consumo de jovens garotas dos anos 90. A Boneca Nádia era uma das mais populares e desejadas pelas crianças, com uma tecnologia que até hoje impressiona: eram mais de 100 frases e canções na memória, ela tinha capacidade de compreender certas palavras de sua dona e reagir às mesmas, tinha movimentos dos olhos e boca e sensores de luminosidade, temperatura e movimento – ao entrar em um quarto escuro por exemplo, Nádia…