Stefano Arnhold (à direita), presidente do conselho da Tectoy, deu uma palestra durante a Comic Con Experience 2016 e contou diversos detalhes a respeito da empresa, de seus 30 anos que serão comemorados em 2017, de curiosidades a respeito de alguns jogos queridos pelo público brasileiro e, claro, sobre o novo Mega Drive.

Os 30 anos da Tectoy

Com o 30º aniversário da Tectoy chegando, Stefano falou um pouco a respeito da história da Tectoy e como a empresa foi criada.

A criação da Tectoy foi bem interessante, na realidade, nós tínhamos uma outra empresa chamada Elsys, que existe até hoje, e que desenhava soluções customizadas para empresas que não iam muito bem na área de eletrônica”, disse Stefano. “Olhando para diversos segmentos, ela olhou para o segmento de brinquedos aqui no Brasil, que tinha uma empresa que era a Estrela que dominava pouco mais de 55% do mercado e que realmente não desejava ir pra área de eletrônica“.

Foi quando então se perguntou por que nós mesmos não íamos explorar essa área de brinquedos eletrônicos ao invés de ajudar uma outra empresa? Foi quando surgiu a Tectoy em uma parceria com a Evadin, e como eu já gostava de videogames desde muito antes do Atari, a história é essa. Ao invés de ajudar uma outra empresa na área de eletrônica, foi construída uma sociedade com a Evadin que hoje é a Tectoy”.

O novo Mega Drive

mega-drive1

Stefano também aproveitou a ocasião para falar mais sobre o relançamento do Mega Drive, que voltará ao mercado ano que vem com um modelo que suporta cartuchos e cartão de memória.

Primeiramente ele explicou o motivo da Tectoy ter resolvido criar mais esta versão comemorativa do Mega.

Nós estávamos procurando algo para comemorar os 30 anos [da empresa]. Que ia ser legal a gente fazer uma coisa especial. A gente começou a postar algumas perguntas no Facebook pra comunidade que jogou os jogos conosco no Master System, aliás a nossa ideia era basicamente um Master System ou um Mega Drive, e a primeira coisa que aconteceu foi que a resposta foi muito grande. Um dos nossos posts teve acho que 180 mil compartilhamentos”, informou Stefano. “Dessa pequena pesquisa, vamos chamar assim, ficou claro que o público queria mesmo primeiro era o Mega Drive”.

Depois disso, Stefano explicou um pouco sobre como será o hardware do novo Mega.

Nossa intenção é fazê-lo o mais parecido possível com o produto original lançado. Então as ferramentas de injeção plástica infelizmente não são mais as mesmas, tivemos de fazer outras, mas elas são idênticas às originais, tem até aquele controle de volume pro headphone que não parece ser uma coisa muito utilizada mas a gente deixou fiel. Fizemos pequenas mudanças como a entrada pra cartucho que era um must, tinha que ter. A gente se permitiu tirar o ‘balãozinho’ de RF pois esse realmente para achar uma televisão que ainda usa ia ser difícil, então esse a gente tirou”.

Aí vem o famoso HDMI, que tem aquela questão interessante, talvez até uma oportunidade de falar um pouco sobre ele.  A gente sabe que o sinal se ele for realmente gerado digitalmente, processado digitalmente e sair pela saída HDMI, ele vai com uma definição maior para o seu televisor. Ocorre que o sinal que nós vamos gerar [no novo Mega] é analógico. Não adianta mandar ele pela saída HDMI para o televisor que não vai melhorar a definição dele“.

Também é verdade que se poderia pensar em modificar a estrutura do hardware para gerar este sinal digital e aí sim ter uma saída HDMI, que foi o que o Nintendinho fez agora com seu relançamento. Isso poderia ser feito. Ocorre que perderíamos os 30 anos, isso ia acontecer muito mais tarde, não ia acontecer no ano novo seguinte então a gente optou por não ter essa saída“.

Stefano disse também sobre o quão parecido os jogos rodarão no que diz respeito ao áudio neste novo Mega em comparação com o aparelho original, desenvolvido pela Sega.

Você tem que imaginar o seguinte, no ponto de vista econômico seria absurdamente caro você fazer um conjunto de chips na parte de áudio tão bom quanto a Yamaha tinha feito. Então, não acredito que o som seja igual. Não tem jeito. Ele (o novo Mega) não é igual aos últimos [Mega Drives que a Tectoy lançou]. Ele é uma nova concepção, mas ele vai ficar devendo um pouco ao original. Você não tem a [CPU] 68000 original, você não tem a [CPU] Z80 da Zilog original. Até tem um taiwanês que conseguiu fazer um trabalho muito bom, tanto que se você pegar uma versão do Mega Drive, me falha agora na memória o ano exato, mas foi quando venceram os 25 anos das patentes, as cinco patentes básicas, um cara em Taiwan fez um chip muito bom. Se a gente conseguir chegar no mesmo nível do chip desse cara, eu vou estar muito satisfeito“.

Master System vs Phantom System

mastersystem_capa

Stefano falou um pouco do desafio que a Tectoy resolveu encarar ao decidir apostar suas fichas no Master System da Sega e a razão de terem obtido sucesso nessa empreitada.

Se a gente colocar um pouco o contexto do que era o Nintendo de 8 bits e o que era o Master System, o mercado norte-americano que já era naquela época o maior mercado mundial de games, o Nintendo de 8 bits tinha penetrado em 33,5 milhões de lares e o Master System tinha atingido modestos 1,8 milhão. Nos Estados Unidos ele até que foi realmente bem, no Japão, por exemplo, ele teve uma performance ainda mais modesta“.

Nós tínhamos que competir no Brasil com a Gradiente, que era uma empresa já muito bem estabelecida e que trouxe pro país um clone de Nintendo, o Phantom, que na época custava muito menos para ser produzido do que um produto original“.

Tendo que enfrentar todas estas adversidades nós procuramos buscar o consumidor e pesquisar o nosso consumidor brasileiro pra entender o que ele queria e precisava, e daí acho que veio a nossa força. Ao invés de simplesmente trazer uma tecnologia do exterior pro Brasil, nós fomos realmente ver o que era necessário aqui“.

Mônica no Castelo do Dragão

monica_capa

Stefano deu alguns detalhes sobre como nasceu a parceria com Maurício de Sousa para a criação, em especial, deste icônico jogo de Master System, um dos mais aclamados do console pelos gamers brasileiros nos anos 90.

Após criar as Master Dicas, que virou Mega Dicas e depois se transformou em Sega Dicas, ir também à televisão dar as dicas de jogos para o consumidor antes dele pedir, criar o Master Club que depois virou Sega Club, a Tectoy resolveu então procurar por Maurício de Sousa para abordar diretamente os jogos.

Na época [o Maurício] já tinha uma cabeça super aberta, olhava pro futuro, e levamos a ele a ideia de lançar um jogo da Turma da Mônica para o Master System“.

Fechamos o acordo com o Maurício, e aí ele ligou um dia desesperado dizendo que a Mônica não podia usar uma espada, que isso era totalmente contra a estrutura do personagem que jamais podia bater em alguém com uma espada e que então nós tínhamos de cancelar aquele jogo”. relatou Stefano. Lembre-se que “Mônica no Castelo do Dragão é baseado em Wonder Boy in Monster Land, onde o herói usa uma espada.

Aí nós pensamos ‘o que vamos fazer? Cancelar o jogo?’ e foi aí que alguém deu a brilhante ideia de trocar a espada por Sansão, uma vez que a Mônica dava coelhadas no Cebolinha e em quem passava por perto. Aí liguei rapidinho para o Maurício e falei ‘E o Sansão, se a gente colocar o Sansão?’ E depois o pessoal reclamou comigo porque eu não perguntei pro pessoal de produção, ficaram super bravos comigo falando ‘Como é que nós vamos trocar a espada por um coelhinho azul?’ Aí eu disse ‘Ah eu não sei, isso aí agora é problema de vocês, a minha parte eu fiz’ (risos)“.

Super Monaco GP II

ayrton-770x515

Stefano contou mais sobre a história da criação deste jogo marcante, cuja ideia de trazer Ayrton Senna para endossar o game foi da própria Tectoy e não da Sega, algo que pouca gente sabe.

A gente procurou trazer todos os heróis nacionais pro videogame, e de longe o maior herói era o Ayrton Senna. Então, nós fomos na Sega, no caso a Sega do Japão, onde nem precisamos dizer quem era Ayrton Senna”, explicou Stefano, deixando claro também que a ideia foi bem recebida pelo pessoal da Sega do Japão. “Se tivéssemos ido na Sega dos Estados Unidos, eles provavelmente iam perguntar quem era Ayrton Senna”.

Percebemos que havia a possibilidade [de fazer o jogo] e ainda para ajudar, o vice-presidente que cuidava da tecnologia da Sega naquele momento vinha da Honda. Dizem que quando ele entrou na Honda, ela só fabricava veículos de duas rodas e abaixo da diretoria dele estava toda a área de confecção e ele conhecia pessoalmente o Ayrton. Ele tinha acabado de entrar na Sega. Então foi um passeio durante todo o processo. Ele deu a ideia pro Ayrton, que também gostou muito e realmente a partir daí o envolvimento dele no desenvolvimento dos cartuchos foi bastante grande”.

Super Monaco GP II recriava a temporada de 1991 da Formula 1, que possuía o circuito de Barcelona-Catalunha, novo na competição. Os pilotos não o conheciam. Na época, a equipe responsável pelo jogo pediu pro Ayrton gravar um trecho comentando cada pista mas ele se recusou a fazer isso com esta em particular. Stefano comentou um pouco sobre isso, dizendo também que esta novidade marcou a estreia da gravação sintetizada no Mega Drive.

[Senna] faria pequenas declarações sobre cada um dos circuitos. E ele falou que não podia fazer uma declaração sobre o circuito de Barcelona pois ele não havia corrido lá, não conhecia. Aí o [produtor] japonês falou ‘faz qualquer comentário que a gente coloca’. Ele ficou realmente bravo com o rapaz e falou ‘não vou poder fazer um comentário sobre uma pista que eu não conheço, mas eu posso prometer para vocês o seguinte: duas, três, quatro horas depois de terminada a prova, se vocês estiverem no autódromo eu gravo para vocês uma fita com os dizeres necessários.’ Dito e feito, não foram nem quatro horas depois da prova, ele gravou o comentário dele. Isso mostra um pouco do quão perfeccionista ele era. Ele fez muitas alterações no jogo e a mais conhecida delas é a da parte da zebra, que ele reclamou que o jogo ia deteriorando o carro conforme você ia passando por cima da zebra e ele falou que não, que usavam a zebra pra apoiar o carro até um certo grau. Se passasse [totalmente] por cima da zebra aí iria deteriorar o carro. Ele fez os japoneses mudarem os elementos do jogo até que ficasse exatamente da forma que ele queria“.

Depois que o game estava praticamente pronto, Senna esteve no Japão para uma das provas finais daquela temporada, a qual inclusive o consagrou tricampeão. Na quarta-feira antes da corrida, ele foi na Sega para encontrar a equipe que fez o game. Stefano falou um pouco a respeito deste episódio.

Ele tinha um cronograma bastante complexo. Ele se hospedou no hotel Sheraton, que fica perto da Disneylândia, e o trânsito em Tóquio pode ser complicado, então ele ia voar de helicóptero [até a Sega]. Só que a Sega fica em Haneda, até hoje, e Haneda como vocês sabem é tipo Congonhas, um aeroporto doméstico de Tóquio, uma zona militar onde você não pode voar de helicóptero numa área de aeroporto. Então a única solução que nós encontramos foi atravessar a baía de barco. Aí encontramos uma lancha super rápida e demos um jeito. Só que ele precisava caminhar cerca de uns 100 metros mais ou menos entre um portão e aonde a gente conseguia estacionar um carro. Só que aí aconteceu uma das coisas mais incríveis que poderia ter acontecido“.

[Os japoneses] reconheceram o Ayrton Senna na rua e começou uma aglomeração e a gente não estava preparado, não tinha segurança, não tinha nada porque a gente imaginava que ninguém ia reconhecer ele no Japão. Pra vocês verem como ele era famoso no Japão já naquela época“.

A Sega era uma empresa realmente ‘quadradinha’. Se quiserem uma definição no wikipedia para uma empresa ‘quadradinha’, era a Sega. E ele virou aquela empresa de cabeça para baixo. Quando ele chegou tinha gente na rua, estava realmente uma bagunça. O que ele fez na Sega lá foi impressionante“.

Dentro da empresa, Senna jogou Super Monaco GP II contra um dos produtores, algo que Stefano também comentou na Comic Con.

Eles montaram [dois] cockpits de Formula 3000 japoneses. Pegaram o Arcade game do Super Monaco na época e montaram lá com direção e tudo. E eles estavam sincronizados.

Então ele sentou lá e reclamou muito que tinha muita dificuldade de dirigir, que estava muito difícil e ele não conseguia. E o [produtor] japonês só dando volta em cima dele. Aí ele foi pegando a manha do jogo. Ele só tinha 45 minutos para ficar lá, ficou 3 horas e meia. Aí o japonês caiu na besteira de esperar ele numa volta. Nunca mais viu ele, passou do japonês que está procurando ele até hoje.”  

Show do Milhão

mega_drive3_showdomilhao_2

Stefano falou exclusivamente aqui para o blog sobre o famoso jogo do Show do Milhão, que foi lançado em um momento no qual este programa de televisão, apresentado por Silvio Santos, era bastante popular.

Naquela época, o Show do Milhão era uma atividade de muito sucesso e a gente tinha até a ideia de utilizar a tecnologia do MegaNet pras pessoas jogarem em casa. A ideia original que foi apresentada ao grupo Silvio Santos na época foi das pessoas também poderem participar em casa respondendo perguntas através da tecnologia do MegaNet“.

Dessa conversa então saiu a possibilidade de fazer o jogo do Show do Milhão pro Mega Drive e aí a gente até fez um bundle com o hardware. Então foi uma coisa muito legal que saiu de algo que era outra ideia originalmente mas acabou surgindo a ideia de fazer o jogo do Show do Milhão com o Silvio Santos.”

[A negociação com o grupo Silvio Santos] foi super tranquila. O pessoal lá era super parceiro, o SBT, muito atenciosos com a gente. Aquela ideia de fazer com o MegaNet era mais complexa de fato, acabou não vingando, mas eles foram super colaborativos pra fazer o jogo. Foi muito bacana a parceria com eles.”

Stefano conclui dizendo achar que foi o próprio Silvio Santos que gravou a própria voz para o jogo.

Acredito que sim. Eu não participei especificamente deste momento, mas eu sei que já naquela época ele cuidava de todos os detalhes, tudo era aprovado por ele pessoalmente. Foi muito bacana, a parceria com o SBT foi muito legal.

Há chance de vermos algum destes jogos saindo com o novo Mega Drive ano que vem?

cartuchos_mega_drive-770x515

De acordo com Stefano, tudo vai depender da aquisição dos direitos, pois existem games que possuem até sete detentores de direitos diferentes, isso sem falar das músicas.

Era uma questão bastante complexa naquela época. Hoje, ela é um quebra-cabeça bastante complicado. Sou uma pessoa privilegiada, conheço a maioria das contratos em detalhe e mesmo assim estou tendo bastante dificuldade.”

Acabei de saber agora que tem um ou dois jogos que talvez tenhamos que mudar [do catálogo de títulos que virão com o novo Mega]. Um deles foi inclusive desenvolvido por um amigo meu, conheço bem o inventor do jogo que era da Sega. Vou até localizar ele pra ver se ele ainda tem os direitos do jogo, que a Sega já não tem mais. Vamos ver se ele ainda os tem.”

No caso do jogo do Ayrton Senna, nós temos alguns direitos que a nós nos pertence e não ao Ayrton ou a Sega, que são os circuitos. A própria palavra Super Monaco GP que eu acho que nós não vamos obter, além do que nós estamos testando a compatibilidade do jogo por causa de algumas coisas que tem uma arquitetura diferente com o hardware que nós estamos desenvolvendo que ainda não está concluído.”

Pouca gente no mundo tem a possibilidade de montar ou de reviver as licenças pro Brasil desses produtos que eu conheço profundamente, mas estamos tendo dificuldade”, explicou Stefano sobre a possibilidade de relançar jogos em cartuchos para serem utilizados no novo Mega Drive.

Haverá também um novo Master System?

Que o novo Mega Drive é uma realidade nós já sabemos, mas, e um novo Master com entrada para cartuchos? Será que a Tectoy vai desenvolver um também? Stefano disse que “talvez”. Tudo vai depender do sucesso do Mega Drive

A gente nem sabe ainda se do ponto de vista comercial e financeiro, essa aventura vai ser positiva. Existe até a possibilidade de não ser. Então nesse momento eu não tenho assim, vamos dizer, não é o início de uma nova etapa de games da Tectoy porque no momento nos faltaria um parceiro grande.

  • Gustavo

    O Stefano é um cara muito gente boa, eu não sabia que ele ia ta na Comic Con Exp senão teria ido lá só pra ver ele contar essas histórias ao vivo, mesmo tendo decorado elas por conta das entrevistas que ele deu (principalmente a entrevista do UOL que eu assisti umas 20 vezes sem brincadeira). Sou fan da Tec Toy e do Stefano.

    • Joao Silva

      Pensei que era só eu kkkk…devo ter assistido mais de 20, tanto da UOL quanto da Zeroquatromidia e tem outra para o Canal Warpzone, ambas estão disponíveis no Youtube. Tem uma outra legal também, que é para o Podcast Playground tb da UOL, mas como vc deve saber, Podcast é só áudio. Neste podcast também tem uma entrevista bem legal com o Alexandre Pagano, que foi um desenvolvedor dentro da Tectoy, vale muito a pena também.

      • Gustavo

        kkkkkkk uma das entrevistas mais foda de todas, esse podcast eu ainda não ouvi, nem sabia que tinha, vou procurar.

  • parma

    ótima entrevista!! fiquei até surpreso de saber que é a tectoy mesmo quem está desenvolvendo o hardware, os chips, principalmente de som. tomara que vocês consigam um bom resultado porque seria muito bom ter um console novo, com qualidade no som e sem muitos problemas de compatibilidade.

    e torço muito para que sim, a aventura seja positiva e que seja o início de uma nova era para a tectoy. seria fantástico comprar novos jogos, tanto alguns antigos quanto quem sabe até os novos que estão sendo feitos… já fiz minha parte 😉

  • Joao Silva

    Pessoal só errou na informação de quando o Senna foi na Sega….ele não jogou Super Monaco GP II e sim a versão arcade do Super Monaco GP original…

    • Gustavo

      Verdade, até porque ele estava lá justamente participando do desenvolvimento do jogo.

  • Perigo

    Tomara que os chips de áudio tornem possível rodar Pier Solar, quero muito jogar esse jogo no console.

  • Édson Xavier

    Stefano é o eterno pai da TecToy, ele foi o linha de frente nos projetos passados dos produtos da SEGA aqui no Brasil, ele passou por cima das decisões negativas da SEGA do Japão pra garantir a melhor experiência possível para os gamers brasileiros. É muito gratificante ver a TecToy resgatando a ousadia de antigamente, esse novo projeto de um Mega Drive com hardware reformulado é magnifico, em nenhum lugar do mundo uma empresa tentou resgatar um console aos moldes do original. A própria Nintendo ”relançou” o NES que não passa de uma pequena caixa emulando seus jogos. A TecToy escutou o meu apelo, e o apelo da comunidade retrogamer que queria um aparelho com hardware original. Me sinto presenteado com o esforço da empresa em resgatar essa magia nos trazendo essa novidade com embalagem e o logo ”TecToy” de antigamente. VALEU!!! Já garanti meu MEGA!!! Personalizado com o meu nome… VALEU TECTOY!!