Lançado originalmente nos fliperamas em 1993 (estreando a nova placa da Capcom CPS2), “Super Street Fighter II: The New Challengers” chegou às mãos dos donos de um Mega Drive apenas em julho de 1994 com um incrível cartucho de 40 Megabits – o maior jogo oficial lançado para o console (que foi superado por Pier Solar e mais recentemente Paprium, ambos da produtora WaterMelon com 64 e 80 megabits, respectivamente).

Em comparação com “Street Fighter II: Special Champion Edition”, lançado um ano antes no 16 Bits da Sega, o novo título traz várias e bem-vindas novidades, sendo as principais os quatro novos personagens, como já revela o título.

introdução curta, mas inesquecível do jogo!

Os novos desafiantes são:

  • Cammy: Uma agente das forças especiais britânicas que s ofre perde de memória e que está prestes a descobrir a verdade sobre o seu surpreendente passado.
  • T. Hawk: O gigante guerreiro indígena do México que tem como único objetivo destruir M. Bison, que tomou as terras de sua família.
  • Fei-Long: Um astros dos filmes de ação de Hong Kong, ele é mestre em vários estilos do Kung Fu e entrou no torneio para testar suas habilidades com outros lutadores.
  • Dee Jay: O kickboxer jamaicano que integrou o ritmo da música em seu estilo de luta, e que agora busca vencer o World Warrior Tournament.

Assim, juntamente com o elenco dos jogos anteriores (que possuem novas animações e poses de vitórias), Super Street Fighter II oferece no total 16 guerreiros prontos para arrebentar seus adversários. Outras novidades incluem novas arenas de lutas e o mais importante, uma repaginada na jogabilidade e no sistema de combos e golpes – “First Attacks” (primeiro ataque), “Reversal” (revide) e “Recovery” (conseguir se recuperar de um estado de tonteamento) foram introduzidos oficialmente nessa versão, com pontos bônus quando executados corretamente.

Além dos tradicionais modos Arcade e Versus, a versão do Megão ainda conta com uns extras exclusivos, como opção para escolher maior velocidade e o Super Mode, que quando selecionado no Expert garante ao jogador uma campanha mais longa contra o computador, enfrentando 16 adversários aos invés de somente 12.

O jogo também conta com um modo torneio para até 8 jogadores, com opções de Team Battle, onde podemos montar equipes de lutadores, usando diferentes regras como o Ellimination ou o Point Match. Outro elemento interessante era o Challenge Mode, onde o jogador deve vencer diversos desafios de tempo ou pontuação, deixando o jogo ainda mais robusto em opções – lembrem-se que estamos em 1994!

Os 40 Megabits garantiram uma reprodução fiel dos personagens e cenários dos fliperamas para dentro do Mega Drive. As cores possuem um contraste mais forte, e as animações e os sprites estão muito bem feitos – Ryu inclusive ganhou um Hadouken de fogo, assim como Ken e o seu Shoryuken. Os cenários ao fundo também não ficam devendo em nada, com animações das pessoas que estão assistindo as lutas, ou nuvens, pássaros e outras coisas se movendo.

As músicas estão boas, bem parecidas com as originais do fliperama com bons efeitos sonoros e uma maior quantidade de vozes digitalizadas (meio roucas) – obviamente não possuem a mesma qualidade da versão arcade, mas não deixa de ser um jogo extremamente competente no campo técnico.

Super Street Fighter II: The New Challengers” é considerado por muitos fãs como o jogo de luta definitivo do Mega Drive. Uma conversão bastante competente com alguns extras exclusivos e com uma jogabilidade veloz e dinâmica, elementos mais do que essenciais para garantir horas de diversão e muita pancadaria em frente da sua televisão e com os amigos!

  • Marcelo Cleto

    Tectoy no novo mega drive.. este jogo assim como a versão anterior dele o áudio fica todo desregulado nas fases do Dalsin, Chun-li e Sagat por exemplo.
    É possível que os mesmo sejam ajustados por meio de alguma atualização no novo mega drive???