Tag

Ranger X

Browsing

Joystick de 6 botões chegou! Porrada neles!

Vocês pediram, e a Tectoy escutou. Uma edição limitada do tão aguardado joystick de seis botões do console. Saiba mais detalhes do produto neste link. O Joystick White Version na cor branca foi pensado para fazer um contraponto com a cor escura original do console Mega Drive, destacando o produto dentro de sua casa, e que também homenageia a edição branca do Mega Drive III, lançado na primeira década dos anos 2000 – além, claro, de agora virar um item de colecionador também. Como vocês já sabem, há vários jogos que ficam melhores utilizando o joystick de seis botões e o Blog Tectoy separou alguns desses clássicos, confira abaixo: Street Fighter II: Champion Edition e Super Street Fighter II O jogo de luta que deu origem ao controle de seis botões e que agora pode ser apreciado em todo o seu potencial, assim como a sua sequência Super Street Fighter II! Mortal…

Ranger-X – O jogo de mechas para Mega Drive!

Se você é fã de animes certamente deve estar familiarizado com o termo “mecha”, que se popularizou no Brasil nos anos 80/90 com a chegada de animações e tokusatsus que apresentavam “robôs gigantes” como Super Dimension Fortress Macross (ou Guerra das Galáxias, como ficou conhecido por aqui), Neon Genesis Evangelion, Robotech e Mobile Suit Gundam Wing, apenas para citar alguns. Toda essa introdução serviu para apresentar o gênero, que hoje é bem conhecido no mundo todo, e que ganhou grandes representantes também nos videogames, sendo um deles o tema da nossa matéria de hoje: o criativo Ranger-X para Mega Drive. O jogo foi o primeiro e único desenvolvido pelo estúdio Gau Entertainment, que foi fundado por ex-funcionários da Wolf Team e publicado pela própria Sega no ano de 1993. O título impressionou por apresentar uma jogabilidade extremamente diversificada e criativa, com gráficos incríveis e excelente trilha sonora. ASSUMA O CONTROLE…

Ocidente vs Oriente: A Confusão de Capas e Nomes!

Hoje em dia, graças ao avanço tecnológico e à globalização, os mais variados produtos seguem uma padronização massificada nos diferentes mercados mundiais, o que claro inclui os jogos de videogames. Um mesmo jogo, por exemplo, pode ser lançado em diferentes países de forma simultânea, ou com poucos dias de diferença, alterando-se apenas a sua localização para o idioma desejado – em alguns casos, o próprio jogo já oferece várias opções de idiomas. Mas lá nos “jurássicos” anos 80/90 as coisas eram bem diferentes. Cada mercado tinha grandes diferenças e variações culturais entre si, sem as opções da “informação instantânea” que a internet nos proporciona hoje. Naquela época o Japão era o principal fornecedor de games, sendo que muitos desses títulos tinham várias referências à cultura oriental, que não era muito difundida no ocidente. Além de levar meses para chegar ao outro lado do mundo, vários jogos sofriam “adaptações” para o público…