Toy StoryToy Story é um filme de animação feita em computação gráfica lançado pela Pixar em 1995. A obra cinematográfica foi um sucesso de bilheteria nos EUA e no resto do mundo. No mesmo ano seguinte o filme ganhou um jogo baseado saindo para o Mega Drive, Super Nintendo, PC e Gameboy.

O jogo foi um daqueles que já estavam utilizando muito bem a capacidade gráfica do sistema, pois, em 1995/1996, as empresas já sabiam bem o que o Mega Drive era capaz de fazer. Tanto é que Toy Story provou que muitos poderiam utilizar de gráficos pré-renderizados e não era uma façanha apenas da SEGA ou da Nintendo.

O título teve muitos elogios pela crítica especializada nos EUA e mereceu o seu devido destaque por parte da imprensa brasileira. Será que o mesmo ficou a altura do filme? Vamos conferir!

Os brinquedos estão vivos

Assim como o filme, o jogo segue a mesma história e ela é bem simples, mas eficiente para este tipo de título.

Os brinquedos de Andy tem a sua vida própria. Um pouco secreta, claro, quando Andy sai do seu quarto para ir a escola ou brincar com os seus amigos e todos estavam felizes com isto.

Entretanto, no aniversário de Andy, as coisas mudam muito no quarto dele. Woody, o caubói, que é o brinquedo favorito do Andy, é substituído pela grande novidade na questão de brinquedos, Buzz Lightyear, um ranger espacial.

Então Woody acaba se vingando de Buzz por tê-lo substituído, só que ele vai longe demais e agora tem de salvar o seu “inimigo” antes que a família de Andy saia de mudança e acabe esquecendo os dois para trás.

Assim sendo você vai controlar Woody por diversas fases de plataforma, onde ele pode correr, pular, escalar e até mesmo nadar em diversas situações. Utilizando da sua cordinha que dá a voz a falas mecanizadas ele pode derrotar inimigos, derrubar blocos e fazer várias outras coisas.

Toy Story

Desta forma, a jogabilidade do título não é tão presa como aparenta ser, principalmente porque existem algumas variações dentro do próprio jogo que o torna bem interessante, isto tudo através de oito níveis de pura jogatina.

Uma das fases mais interessantes no jogo se dá quando você controla o Woody em primeira pessoa, aos moldes de jogos como Duke Nukem 3D, que a Tectoy fez versão exclusiva para o Mega Drive.

Traços inspirados na Pixar

A base dos gráficos de Toy Story remonta basicamente a dois grandes clássicos da era dos 16-bit, um deles é o Donkey Kong Country, para o Super Nintendo e o outro é Vectorman, para o Mega Drive.

Toy Story

Utilizando-se de gráficos pré-renderizados para os cenários, personagens e todos os outros elementos na telinha do Mega Drive, Toy Story consegue dar uma dimensão apropriada para cada cenário, indo desde a casa de Andy, passando pela Pizza Planet até o quarto do Sid, assim como os brinquedos vistos no filme.

A versão do Mega Drive, a Traveler’s Tales conseguiu retirar o máximo possível da paleta de cores dispostas do sistema e fez um trabalho digno de ser bem visto numa bela TV de tubo.

Pew-plaf-boom

Outro elemento que vale a pena ser citado é a trilha sonora muito bem trabalhada durante todo o jogo e que se casa bem cada cenário que ela é proposta. Como, por exemplo, na primeira fase, que tem um tom bem alegre.

Mudando completamente quando, por exemplo, Woody tem um pesadelo com o Buzz.

Os efeitos sonoros no jogo são bem competentes e conseguem ambientar bem o jogador.

Toy Story é um daqueles títulos que merecem estar na estante daqueles que amam muitas confusões e um bom desafio para o seu Mega Drive. E aí, você curtiu o desenho e o jogo? Conte aí!

  • Anderson Sabino

    Foi uma experiencia bem legal, tanto o filme quanto o jogo!

  • Andrews Ferreira

    Tá aí um jogo que todo mundo falava na minha época de escola mas nunca joguei pois já estava com o Saturn e acabei deixando o Mega Drive com meu primo. Os gráficos são de cair o queixo, lembra muito Donkey Kong Country!!