Samba de Amigo

Neste período de carnaval uma pergunta surge na cabeça de alguns gamers por aí: será que existe algum título que usa como pano de fundo o carnaval, mas não apenas o brasileiro, para algum tipo de jogatina? A resposta é simples, Samba de Amigo.

Mexe a maraca para cá e para lá

Samba de Amigo foi a primeira tentativa da SEGA, pelos idos de 2000, de conseguir uma parte dos lucros que a Konami começara a ter com os seus jogos musicais rítmicos, conhecidos como Beatmania. A SEGA na época conseguira criar um jogo que precisava de um controle especial que permitia uma melhor integração entre o jogador e o título no seu port para o Dreamcast.

O título em questão é um simulador de maracas. Caso você não conheça o que é este instrumento musical, segue um breve texto acerca:

A maraca, maracá, bapo, maracaxá ou xuatê é um idiofone de agitamento, constituído por uma
bola, que pode ser de cartão, plástico ou cabaça, contendo sementes secas, grãos, arroz ou areia grossa. Dependendo dos materiais usados, podem produzir sons como o de lixar ou o de arranhar, quando tocadas. Normalmente, são tocadas aos pares – com uma maraca em cada mão- agitando-se-as, embora também possam ser tocadas rodando-se-as lentamente.

Este instrumento é típico das danças latino-americanas. É conhecido por outros nomes nos países da América Latina: asson ou tcha-tcha no Haiti, alfandoque, carangano ou geraza na Colômbia, nasisi no Panamá e sonajas no México, bapo ou carcaxa no Brasil, chinchin na Guatemala, dadoo na Venezuela, huada no Chile e maruga em Cuba.

Wikipedia

E como tal o jogador deve seguir um ritmo posto em tela para poder ganhar cada vez mais pontos. Enquanto você pode jogar o título utilizando-se do controle do Dreamcast, o jogo só se torna algo fora de série quando usa as maracas desenvolvidas especialmente para ele.

O controle é formado por duas maracas e um sensor que fica no chão para detectar quando e onde as maracas foram chacoalhadas. Você é ordenado a mexer os dois objetos com as instruções que aparecem em tela, que consistem em seis círculos – três no lado direito, três no lado esquerdo.

Os círculos ficam divididos entre baixo, médio e alto, onde bolas vermelhas e azuis aparecem e se deslocam na direção dos círculos para informar o que o jogador precisa fazer na posição e na altura corretas. Ao final de cada partida o jogador precisa fazer uma pose em dois locais específicos para ganhar mais pontos.

Se o jogador for bom, continuará por duas músicas a mais, e se for realmente bom, terá uma terceira música.

Até parece algo muito difícil, mas Samba de Amigo é basicamente os primórdios do popular Just Dance da Ubisoft, que utiliza detecção de movimentos para ser jogado.

Músicas para os nossos ouvidos

Apesar do título ter um estilo latino – mais caribenho que brasileiro -, as músicas caem bem na sua jogatina. E, algo bem interessante, a versão cover da Reel Big Fish de Take on Me, dá um que especial para aqueles jogadores da década de 1980 e suas memórias nos fliperamas da vida.

A versão japonesa do jogo foi lançada antes que a SEGA pudesse obter os direitos para usar duas músicas do Ricky Martin, que bombava na época, mas a versão americana veio com duas músicas dele – Cup of Life e Livin’ La Vida Loca. Apesar de parecerem demais com a versão original, as músicas são covers e não são interpretadas pelo próprio cantor.

A trilha sonora da versão americana foi a seguinte:

“Al Comás Del Mambo” / “Mambo Beat” – Perez Prado
“The Cup of Life” – Ricky Martin
“El Ritmo Tropical (El Bimbo)” / “The Tropical Rhythm” – Dixie’s Gang
“La Bamba” / “The Bamba” – Ritchie Valens
“Livin’ la Vida Loca” – Ricky Martin
“Love Lease” – Masao Honda
“Macarena” – Los Del Mar
“Samba de Janeiro” / “Samba of Janeiro” – Bellini
“Samba de Amigo (Samba de Janeiro 2000)” – Bellini
“Soul Bossa Nova” – Quincy Jones
“Take On Me” – Reel Big Fish
“Tequila” – The Champs
“The Theme of Inoki” / “Ali Bombaye” – Michael Masser
“Tubthumping” – Chumbawamba

A versão japonesa inclui as mesmas acima, com exceção das obras de Ricky Martin e segue com outras exclusivas como:

“El Mambo” / “The Mambo” – Solemar
“Mas Que Nada” / “More Than Nothing” – Jorge Ben

Uma mistura bem eclética para quem gosta de variar os estilos musicais.

 

Uma explosão de cores!

Os gráficos fazem uma contraposição perfeita para a experiência auditiva que o Samba de Amigo prove ao jogador. Para a sua época, foi um dos jogos mais coloridos e alegres que qualquer um poderia experimentar.

Atrás dos círculos e das bolas azuis e vermelhas que te ordenam a fazer os movimentos rítmicos, existe um mundo vivo que acompanha sua performance e que se torna ainda mais vivo se você tiver um bom desempenho.

Alguns extras

No Dreamcast Samba de Amigo veio com vários modos que não se encontravam nos arcades. Além do modo arcade e todas as músicas originais tinha-se, também, um modo de desafio que dava ao jogador tarefas que deveriam ser completadas para destravar músicas mais desafiadoras.

Controle

Havia também a possibilidade de desafio de dois players, uma competição interessante entre dois jogadores ou um modo co-op entre eles.

Quando a internet estava disponível para o Dreamcast, era possível colocar a sua pontuação no servidor da SEGAnet, com a possibilidade de baixar músicas originais de velhos sucessos da SEGA, como Afterburner, Outrun e Nights.

Samba de Amigo foi um título de enorme sucesso da SEGA e serve como parâmetro para o atual “remelexo” que existe por aí com os jogos musicais e rítmicos. Claro, sem tirar o mérito de títulos que vieram antes como o Beatmania e os que vieram a posteriori, como o Guitar Hero.

Ainda assim, um jogo que merece destaque e serve de experiência para quem quer conhecer os títulos mais divertidos do Dreamcast.