Streets of Rage” (ou Bare Knuckle, como é mais conhecido no Japão), é um dos maiores clássicos dos games de pancadaria 2D, os famosos beat’m up, que foi lançado em 1991 para o Mega Drive para concorrer com o também clássico “Final Fight“, lançado nos arcades pela Capcom em 1989 e exclusivamente no Super Nintendo no ano seguinte.

O sucesso foi gigantesco e SoR ganhou mais duas excelentes sequências, ainda na época dos 16 Bits, e infelizmente desde então a série ficou esquecida nos arquivos da Sega. Mas agora, graças ao livro “Sega Mega Drive/Genesis: Collected Works” , novas histórias sobre o desenvolvimento e criação do primeiro jogo apareceram na internet, depois de mais de 20 anos do seu surgimento.

Vem conosco e confira curiosidades sobre o início desse jogo inesquecível.

sor-spec1

projeto de SoR, então batizado de D-Swat

Conceitos

Tudo começou no início dos anos 90 com a contratação do diretor do game, Noriyoshi Ohba, que tinha em seu currículo apenas dois games: “Wonder Boy in Monster Land” (Master System) como produtor e “The Revenge of Shinobi”, como diretor. Junto com ele foi também contratado Hiroaki Chino, e a tarefa dos dois era criar um game  de pancadaria que rivalizasse com “Final Fight” da Capcom.

Ohba, que já havia trabalhado com Yuzo Koshiro em “The Revenge of Shinobi” no ano anterior, o convocou para ajudar no novo projeto, que até então tinha um título provisório de “Street Karate“. O time estudou minuciosamente jogos do gênero da época, como “Double Dragon” e claro, o próprio “Final Fight”. Inclusive, de acordo com o artista Atsushi Seimiya, o grupo adquiriu um Super Nintendo para que pudessem estudar “Final Fight” detalhadamente.

Outras fontes de inspiração, além dos games, eram os programas de ação e detetives norte-americanos da TV, como “O Esquadrão Classe A” e “Starsky e Hutch”. Algo que o time sabia desde o início é que eles queriam que o jogo tivesse uma história com detetives/policiais. E assim o conceito foi criado, com o título de “D-SWAT” (imagem acima), em uma referência ao game de arcade/Mega Drive da Sega, “Cyber Police ESWAT”, de 1989 (e um jogo muito legal, por sinal).

Design

Combinando essas ideias e o desejo de incorporar mais elementos cooperativos, restava agora iniciar o planejamento da estrutura e mecânicas do game. Assim, em 16 de julho de 1990, iniciava o design de “D-SWAT”, que terminou em 31 de dezembro, com uma equipe com apenas 8 ou 9 pessoas envolvidas.

Para o diretor Noriyoshi Ohba, a parte mais importante eram os “elementos estratégicos e como se sentir ao jogar“. Seria dada uma ênfase nos saltos segurando outros personagens, no agarrar e jogar inimigos e o atacar pela parte de trás, permitindo assim um sistema de combate variado, que daria aos jogadores, especialmente no modo cooperativo, uma sensação de conquista, que outros jogos do gênero na época não possuíam.

Vários documentos do desenvolvimento do jogo foram publicados no livro “Sega Mega Drive/Genesis: Collected Works“, lançado recentemente e que promete ser o guia definitivo do 16 Bits da Sega. Algumas dessas páginas você pode ver abaixo (clique nas imagens para aumentá-las), especificando os elementos principais e controles do jogo.

sor_03 sor_05

Curiosamente, alguns inimigos planejados no projeto não chegaram a aparecer na versão final do jogo, como um jogador de futebol americano e um jogador de hóquei – esse último ainda chegou a dar as caras em uma versão lendária beta do game.

História e personagens

Uma história para o game foi criada, um pouco diferente daquela da versão final, abordando como as principais cidades do mundo foram tomadas por uma violenta onda de crimes. Uma organização montou uma força tarefa especial para combater o crime organizado, sendo que eles tinham que operar em segredo e sem usar armas de fogo, apenas os punhos. Eles eram conhecido como o esquadrão Dragon-Swat, ou simplesmente “D-Swat”.

A proposta inicial era oferecer três personagens bem diferentes daqueles que conhecemos quando o jogo foi lançado. Confira abaixo a arte conceitual para os três membros da “D-Swat”:

godhand

God Hand – certamente o personagem que mais chama a atenção, já que o seu visual foi claramente inspirado na lenda viva de Chuck Norris. Depois teve sua aparência modificada, assim como o seu nome, que passou a ser Hawk, na versão beta, para depois finalmente se tornar Axel Stone. Uma pena que o modificaram, já que um herói chamado “God Hand” (Mão de Deus, em tradução livre), com a cara de Chuck Norris seria o personagem mais overpower da história do universo!

blackbirdBlack Bird – no projeto inicial já havia o conceito para um personagem negro no grupo, batizado de Black Bird e depois modificado para Wolf, na versão beta, para finalmente se tornar Adam Hunter na versão final. Sua descrição diz ser de Londres e perito em artes marciais, mas na figura está usando luvas de boxe.

pinktyphoonPink Typhoon – e finalmente a integrante feminina, uma chinesa especialista em Kung-Fu, com um visual conceitual que lembra bastante a Chun-Li, de “Street Fighter II”. Ela depois seria rebatizada para Blaze Fielding. Curioso notar que os nomes Typhoon e Blaze são referências para os elementos água e fogo, respectivamente.

sor_12especificações dos personagens e mecânica do jogo como “no modo para dois jogadores o mesmo personagem não pode ser selecionado” e “quando o jogador morrer, voltará invencível por um curto período de tempo”

sor1betapg2scan de uma revista brasileira com a tela de seleção de personagens com nomes diferentes na versão beta

Yuzo Koshiro

yuzo-koshiro

Enquanto o projeto progredia, o então jovem compositor Yuzo Koshiro (imagem acima) trabalhava na trilha sonora de “D-Swat”, e mal sabia ele que o seu trabalho entraria para a história como uma das “trilhas sonoras de games mais geniais da história”. Koshiro escolheu usar música eletrônica para embalar a pancadaria do jogo. Veja abaixo um trecho de uma entrevista dele falando sobre o assunto:

A música eletrônica crescia em popularidade no exterior naquela época, mas não era realmente muito conhecida no Japão. Mas era [conhecida] especialmente na América do Norte, onde o Mega Drive [Genesis] estava vendendo fortemente, as músicas eletrônicas estavam tocando constantemente na MTV e tal. Então eu sabia que eles amavam esse tipo de música, e eu pensei que se pudesse colocar essa música dentro do jogo, eles ficariam muito felizes. Acho que foi a primeira vez que compus música pensando no mercado exterior ao invés do mercado japonês.

A Sega não me disse que tipo de música eles queriam ou qualquer tipo de direção. Eu somente fazia coisas de que eu mesmo gostava. Eu disse a eles [Sega] que a música eletrônica com certeza daria certo [para o game], e eu queria que fosse assim, e então eu dei a eles uma fita demo [das músicas]. O gerente do departamento de consumidor da Sega realmente gostou muito. Foi uma sorte, pois eu acho que havia pessoas lá que teriam recusado a música que não era popular no Japão”.

Yuzo Koshiro também foi responsável pelos efeitos sonoros no jogo, alguns inclusive reutilizados do seu trabalho anterior, “The Revenge of SHinobi”, os quais ele se refere como uma medida de “corte de custos”. Koshiro também afirmou que foi também uma tentativa para impressionar a Sega ao tentar criar uma vaga relação entre os dois jogos, como se passassem no mesmo universo. Ele também gravou as vozes de todos os personagens – para a voz da Blaze ele gritou em um tom bem alto então modificou o som.

Bare Knuckle/Streets of Rage

Em dezembro de 1990 o jogo foi rebatizado para “Bare Knuckle” no Japão e teve uma versão beta lançada (cuja ROM nunca apareceu, mas há inúmeras fotos de revistas da época). Ele foi lançado no Japão apenas em agosto de 1991, após várias reformulações na versão beta.

O diretor de marketing da Sega of America da época, Al Nilsen, então rebatizou o jogo com o nome de “Streets of Rage” para o mercado ocidental e em setembro de 1991 ele chegava nos EUA, e o resto, como dizem, é história.

bkmoc

  • Luiz Gustavo Barros

    Jogo perfeito, trilha sonora fenomenal (stage 5 ainda arrepia)

    • Carlos

      PORRA BROTHER exatamente. o cenario do Navio do trafico . amava quando tocava a buzina do navio.
      Vou até jogar aqui.

  • And

    Amo o jogo… Ótimo artigo… Parabéns…

  • Pedro Henrique Custódio Da Sil

    Mas por que mudaram os personagens? Como eles viraram jovens policiais? Como a história mudou pra história que temos hoje?

  • Alfredo Wayne

    Sou fã dessa trilogia. pena que a Sega parou de investir neste classico dos 16 bits! Como a moda agora é universo compartilhado quec vemos nos filmes atuais. tomara que um dia a Sega abra os olhos e ressuscite aquela idéia de fazer universo compartilhado de seus jogos mais famosos como Altered Beast. Golden Axe. Shinobi e outros titulos! Talvez isso se torne realidade. um dia!

  • Renato Pinheiro

    Muito boa a matéria!!

  • Bruce Leroy

    Joguei quando lançou no Brasil, meados de 1990/1991, famoso briga de rua como todos chamavam.
    Está entre meus 5 preferidos do Mega Drive. Um Verdadeiro clássico.