Com o grande sucesso que a série Sonic estava tendo no início dos anos noventa, diversos estúdios quiseram utilizar a fórmula que deu sucesso ao mascote para conseguirem uma “fatia” do mercado. Um deles foi o personagem antropomórfico que surgiu para representar o extinto estúdio Accolade: Bubsy, o gato.

Gerando muito “barulho” antes de seu lançamento devido a intensa campanha de marketing, Bubsy in Claws Encounters of the Furred Kind (ou somente Bubsy) foi um dos jogos mais aguardados de 1993.

No entanto, mesmo tendo “tudo” para ser um excelente game, a médio-longo prazo  acabou quase caindo no esquecimento e o título não supriu as expectativas, mesmo ficando na memória de muita gente.

INSPIRAÇÃO EM SONIC MESMO!

Idealizado pelo norte americano Michael Berlyn, que na época tinha experiência com games de “aponte e clique” como Altered Destiny lançado para o Amiga, o Bubsy vinha não só para para prestar uma homenagem ao Sonic, como também uma tentativa de mudança de foco na carreira de Berlyn.

Segundo uma entrevista dele ao canal Gamesutra, o desenvolver ficou viciado no primeiro jogo do azulão e jogava, em média, 14 horas por dia. Com isso, ele quis fazer um jogo semelhante.

Depois que a produção iniciada, o diretor John Skeel quis que a aventura fosse um híbrido entre a velocidade do Sonic, mas tendo a profundidade dos jogos de Mario Bros, sendo fácil de entender e jogar, porém difícil de masterizar.

Em dezembro de 1992, a Accolade convidou algumas crianças para jogarem o game e darem sugestões de como eles poderiam melhorar o título, e estas disseram que faltavam mais passagens secretas. Desse modo, eles acabaram incluindo as partes em tubos na primeira fase.

IDEIAS EXCELENTES…

A princípio, o game tem todos os elementos do sucesso: corre-e-pula lateral em 2D, gráficos muito legais para a época, trilha sonora bem ambientada e que tem toda a “cara” do Bubsy, um personagem antropomórfico que deve coletar bolas de linho, além de um esforço em colocar cenários detalhados e inimigos carismáticos.

Além da velocidade, o Bubsy também se inspira no Sonic com estilo marrento e fofo ao mesmo tempo; o terreno influencia na aceleração; o level design conta com rotas alternativas, além de que há cenário bônus escondidos pelas fases.

Há um esforço em diversificar a experiência e tornar cada ambiente o mais singular possível: a primeira é uma área tropical com verdes e cachoeiras (mais uma inspiração em Sonic!), depois vem um parque de diversões; trem no deserto; fase da floresta e do foguete.

De quebra, a animação de fim do jogo é bem impressionante para os padrões do Mega Drive, mesmo que simplória. Por falar nisso, provável que o que mais chama a atenção é a riqueza dos quadros de animação do Bubsy, com direito a animações de morte para qualquer tipo de obstáculo e inimigo.

…EXECUÇÃO QUE DEIXA A DESEJAR 

No entanto,  se por um lado o game tem todos esses elementos que dariam sucesso ao gato, ele falha justamente na execução dos conceitos e, jogando-o, dá pra perceber o porquê o Bubsy não sobreviveu a ação do tempo.

O level design conta com rotas alternativas como dito anteriormente, mas acaba sendo confuso e o jogador se perde com facilidade. Além disso, há diversos inimigos mal posicionados que te levam a danos e mortes injustas, que somada a física e colisão imprecisas, tornam a experiência frustrante.

Fora que as passagens secretas não passam a sensação de serem “lugares novos”, transmitindo o sentimento de “tanto faz vir por aqui ou por alí”, tornando a exploração tediosa.

As fases acabam passando o sentimento de serem um pouco genéricas. O esforço é visível em diversificar os cenários como dito antes, mas no fim das contas, o sentimento de mesmice fica devido aos obstáculos e a geometria, salvo exceções. Por fim, às vezes falta um pouco de identidade própria ao título, passando a sensação de “cópia ‘B’ ” do Sonic.

PROPAGANDA MASSIVA, MAS SÓ OS BONS RESISTEM AO TEMPO

Mesmo com tudo isso, o “hype” feito pela Accolade fez com que o game recebesse notas boas na época dos principais veículos de comunicação do mundo inteiro. O game rendeu sucesso comercial e acabou tendo algumas sequências no futuro.

Bubsy tinha tudo para funcionar, mas acabou não resistindo a ação do tempo devido a execução falha. Mesmo assim, o gato antropomórfico divertiu muitas crianças dos anos noventa e entra para o grupo de mascotes que fizeram a infância de muita gente.