Assim como ocorreu com o primeiro jogo da série, Streets of Rage II também recebeu uma versão para Master System, a qual apesar de ser tecnicamente inferior em tudo se comparado com o game para Mega Drive, é mais um dos títulos que exibem aquilo que o videogame 8 bits da Sega era capaz de fazer.

Lançado em 1993 para Master System, tendo chegado oficialmente ao Brasil através da Tectoy dois anos depois, trata-se de um game com um dos melhores gráficos que existem no console. Não apenas isso, mas a trilha sonora é bastante fiel àquela presente no Mega Drive, mostrando que Yuzo Koshiro soube aproveitar com maestria as capacidades sonoras do Master.

Gráficos e músicas excelentes para o Master System

O que mais tem de diferente?

Algo que você percebe antes mesmo de começar a descer a porrada na quadrilha do vilão Mr. X é a ausência de alguém. Na tela de seleção de personagens você vê Axel, Blaze e Skate (conhecido como Sammy no Japão – o irmão de Adam), mas onde está Max? Infelizmente, o amigo brutamontes de Axel foi cortado desta versão do jogo. Não apenas isso, mas o suporte para dois jogadores também foi removido, assim como na adaptação do primeiro game para Master System.

Com ausência de Max no Master, apenas Axel, Blaze e Skate estão jogáveis

Outra diferença vista aqui nesta versão de Streets of Rage II é que ela tem seis fases ao invés de oito como no Mega Drive. Entretanto, há cenários inéditos, como por exemplo um aonde você luta em cima de um trem em movimento, o que é bem legal.

Há alterações nos inimigos também, pois alguns foram realocados para novos locais. Um dos chefes, o lutador de luta-livre Abadede, também ficou de fora no Master System, dando seu lugar no confronto da arena subterrânea para Zamza, o guerreiro com garras que lembra Blanka, da série Street Fighter.

Cenário com trem em movimento é exclusivo desta versão

É impressão ou o jogo está mais difícil?

Terminar Streets of Rage II no Master System pode virar um desafio e tanto para alguns jogadores. Embora a jogabilidade seja parecida com a do jogo 16 bits (o que é ótimo), com a adição da necessidade de fazer mais combinações para executar os ataques especiais, já que no Master temos apenas dois botões no controle, certos inimigos são bem ágeis e requerem uma abordagem um pouco diferente daquela usada no Mega Drive.

Há momentos onde você simplesmente não consegue aplicar contra ataques nos adversários se tentar enfrentá-los no corpo a corpo, sendo necessário utilizar outras táticas, incluindo até mesmo apelar. Dar voadoras e usar as armas que você encontra pelo caminho ajuda bastante. Quem teve vida fácil no Mega e acha que vai encontrar isso aqui, cairá do cavalo. Os capangas do Mr. X no Master não demonstram piedade.

Zamza substitui Abadede como chefe da arena subterrânea

Só para os fãs assíduos

É inquestionável que Streets of Rage II no Master System é um dos melhores jogos que o console tem a oferecer, com gráficos e música impecáveis levando em conta seu hardware, além de uma jogabilidade competente. Entretanto, também é inegável que o game no Mega Drive é superior em todos os aspectos. Dito isso, vale a pena você experimentar essa versão para ver como ela é, desde que você seja um grande fã desta incrível franquia da Sega e queira conferir pessoalmente um dos jogos que mostram o verdadeiro poder do Master System.

  • Fagner Ferraz

    Ainda não tenho na coleção, mas espero ter em breve!