Nos anos oitenta não era exatamente fácil conseguir um videogame de mesa. O mundo não era “sem fronteiras” como hoje. Importar equipamentos eletrônicos não era um trabalho nem fácil e nem barato, assim sendo um console era algo que não era acessível a todo mundo.

Sendo também uma época em que a tecnologia por si só além de não ser algo barato e acessível não era tão evoluída, não tínhamos as facilidades de consoles portáteis e afins – o Game Boy além de caro, só podia ser importado e o Game Gear só chegaria ao mercado nacional em 1991.

Para atender a demanda de pessoas ávidas a se tornarem gamers e sem o poder aquisitivo para comprar um console, surgiram nesse período os famosos “minigames“, opções portáteis e baratas para quem queria adentrar na diversão do entretenimento eletrônico.

Créditos imagem: Blog Museu do Minigame

Aqui no Brasil o usual era encontrar minigames vindos diretamente do Paraguai, que até divertiam, mas não tinham uma boa qualidade. Essa foi a realidade até o final dos anos oitenta, período em que a Tectoy começou a produzir os pequenos brinquedos para o mercado brasileiro, a famosa “Série Master” – emprestando o nome do Master System já que também ofereciam versões do console 8 Bits.

A um preço acessível, com melhor qualidade dos games e durabilidade do aparelho, os minigames da Série Master foram uma verdadeira febre no país no final dos anos oitenta e começo dos anos noventa.

Créditos imagem: Blog Museu do Minigame

Graças a esses aparelhinhos, muita gente conheceu franquias famosas como “Street Fighter”, “After Burner”, “Golden Axe”, “Streets of Rage”, “Sonic”, “Mortal Kombat”, entre outros. Mesmo dentre os que já conheciam tais franquias, devido a revistas especializadas ou mesmo pelo próprio Master System, os minigames da Série Master por muitas vezes era a única maneira de essas pessoas possuírem tais jogos para se divertirem.

A qualidade do produto é tão boa que ainda hoje é possível encontrar esses aparelhos a venda em sites como o Mercado Livre em perfeito estado de conservação e em pleno funcionamento.

Créditos imagem: Blog Museu do Minigame

Eles foram produzidos pela Tectoy no final de 1988 até meados dos anos 90, sendo que a empresa tinha a licença oficial de distribuir os títulos da empresa americana Tiger Electronics, que por sua vez tinha licença de produzir minigames baseados nos games/personagens da Sega, entre outras empresas. A Tectoy também lançou minigames com apelo para o mercado nacional, como da Turma da Mônica, Disney, Senninha, Xuxa, Sapo Xulé, Chaves, entre outros.

Caso lhe seja possível, prepare suas pilhas AA e tenha você também uma divertida experiência nostálgica com algum minigame da Série Master. Um pedaço importante da entrada do universo do entretenimento eletrônico no Brasil, na palma de sua mão!

Confira abaixo algumas propagandas da época:

minigames4

minigames1 minigames2 minigames3

mini_game_os_simpsons mini_game_seria_junior mini_game_serie_aventura mini_game_serie_funny mini_game_serie_master

  • Carlos

    Mesmo sendo mais barato que um Gameboy… esses mini’s por si só não eram tão acessíveis assim…

  • Nilmar Oliveira

    Eu tinha um mini game do Sonic 3, era bem bacana, tinha fazer chefes e dava ate para “zerar” rsrs me diverti muito com ele antes de ter um mega drive.

  • osvaldo junior

    podia relançar , na época era meio caro para muitos , hoje em dia deve ficar bem mais baratinho
    e tem gente vendendo a valores ridiculos no mercado livre , abre o olho tec toy

  • Ivan Pereira

    Tectoy! Vocês precisam relançar estes mini-games!!!

    • Roger Martins

      dai vai ter gente reclamando que nao tem hdmi uhsauhsahuas

  • Trevor Philips

    odeio essa tecnologia com todas as minhas forças, odiava isso quando era criança e agora depois de adulto me dá vontade de vomitar vendo isso de novo. até pra época era ultrapassado, não vejo porque alguem em sã consciencia gostaria de ter isso hoje em dia.