O gênero Shoot ‘m Up (shmup para encurtar), carinhosamente conhecido por aqui como “jogos de navinha“, tiveram os seus dias de glória nos anos 80/90, sendo que o Mega Drive foi a casa dos melhores games desse estilo, que caiu perfeitamente no console e seu hardware, que permitia jogos velozes e super fluídos, mesmo com a tela abarrotada de inimigos, algo que o Megão fazia com os dois pés nas costas e uma mão amarrada (diferente do seu principal rival).

Compostos em sua maioria por jogos espaciais futuristas, o gênero era bem popular na época tanto nos arcades como nos consoles caseiros posteriormente. Além de excelentes conversões dos saudosos fliperamas, o Mega Drive contou ainda com vários títulos exclusivos que faziam a festa dos seus fãs.

Provavelmente nenhum console ganhou tantos jogos desse estilo como o 16 Bits da Sega, e nós trazemos aqui cinco títulos memoráveis para relembrar, mas fiquem a vontade para nos dizer os seus favoritos na parte dos comentários! Partiu mandar bala?

Thunder Force IV

thunderforceiv

A série “Thunder Force” ganhou três ótimos títulos no Mega Drive, sendo que a obra-prima foi “Thunder Force IV”, lançado em 1992 e considerado um dos melhores shooters da geração 16 Bits! Neste novo episódio, que continua a narrativa dos games anteriores, o jogador controla a nova e poderosa nave Fire Leo 4 “Rynex”, com a missão de destruir as forças espaciais malignas conhecidas como Vios. São 10 fases dos mais variados e belíssimos visuais, composto por planetas, espaço, embaixo da água, desertos, ruínas, fortalezas, entre outros. Além dos gráficos maravilhosos, a Tecnosoft caprichou também nas músicas, com uma trilha sonora rock n roll poderosa, uma das melhores que já surgiu no Mega Drive. Um jogo simplesmente imperdível para os fãs do gênero!

Gaiares

gaiares-ju-_133

Outro título que está sempre no topo dos preferidos dos fãs, “Gaiares” foi lançado pela Telenet/Renovation em 1990 e com certeza marcou uma geração de jogadores com seus gráficos coloridos, dificuldade elevadíssima, inimigos ocupando metade da tela e músicas pra lá de detonantes. Além disso tem como destaque uma história bem elaborada (para o gênero), com uma longa abertura em estilo anime que se passa no ano de 3008, quando um grupo terrorista intergaláctico conhecido como Gulfer está planejando invadir a Terra e usar como base militar para atacar outra raça, os Leezaluth, que pede a ajuda dos terráqueos para combate-los – e se não puderem, eles pretendem transformar o nosso Sol em uma super-nova para destruir a Terra e acabar com os planos dos Gulfer. Que encrenca heim? Agora a última esperança dos humanos é que seu melhor piloto, Dan, com a ajuda da Leezaluth Alexis, comande a nave equipada com o sistema TOZ, uma tecnologia super avançada capaz de “absorver” as características das armas dos inimigos, e acabe com gigantesca frota espacial inimiga.

Gleylancer
gley-lancer

Talvez alguns gamers nunca tenham ouvido falar de “Gleylancer”, que infelizmente foi lançado apenas no Japão em 1992 pela NCS/Masaya e que possui todos os elementos que podem agradar um fã dos shmups. Assim como Gaiares, ele conta com cenas de anime para narrar a história, que tem como protagonista a bela piloto Lucia Cabrock, novata na academia espacial. O ano é 2025 (nem está tão longe assim) e a Federação Espacial está em guerra galáctica contra uma força alienígena, que capturou um importante piloto humano, o pai de Lucia. Determinada a salvá-lo, a jovem pega “emprestado” o protótipo de uma nave avançada e poderosa, a Advanced Busterhank Gleylancer, e parte em busca do seu pai nos confins do espaço direto para a base inimiga. São 11 fases (a primeira em um campo de asteroides é fantástica!) com visuais e trilha sonora (feita pelo mesmo compositor das séries Lunar e Grandia) refinadíssimos, e que ainda conta com dois finais diferentes (algo não muito comum nesse gênero).”Stick to it, and believe in your power!”

Battle Mania

battle-mania-dai-gin-jou

Apesar de não trazer naves estelares ou aviões, o título “Battle Mania” (ou Trouble Shooter no ocidente) poder ser também considerado um shmup, só que bem diferentão, já que o jogador controla duas garotas que voam em Jet Packs e saem detonando tudo pela frente. Enquanto uma funciona como a “nave“, a outra tem a função “auxiliar“, muito comum nos jogos desse gênero. Um jogo original e muito criativo lançado pela Vic Tokai em 1991 e que ganhou uma sequência (Battle Mania Daiginjou) ainda melhor e mais robusta no ano seguinte, mas que infelizmente ficou restrita ao Japão. Um prato cheio para os fãs de shmups, animes, mechas e claro, duas belas moçoilas voadoras fortemente armadas.

Truxton

truxton

Um dos primeiros e grandes clássicos do Mega Drive, trazido direto dos arcades para o conforto dos lares do seus fãs. “Truxton” foi lançado originalmente para arcades em 1988 pela finada e saudosa Toaplan (que nos brindou com vários shmups nos anos 80/90) e chegando ao nosso querido Megão no ano seguinte. Muitos jogadores devem se lembrar dele como o “jogo da bomba-caveira“, ele é nosso representante do clássico estilo tela de deslocamento vertical, onde o jogador vê a sua nave de uma visão aérea – o Mega Drive teve vários outros títulos nesse estilo. Sendo um jogo da primeira geração do console, ele é mais simples em relação aos outros aqui presentes na lista, porém não fica devendo em nada no fator diversão e principalmente desafio – para ver o seu final completo era preciso terminá-lo cinco vezes consecutivas, uma pedreira que poucos conseguiram passar!

  • Guilherme Chirinéa

    Opa, faltou um “e” ali, é “shoot ‘em up” (e a forma abreviada também está errada no texto, o correto é como está na figura que encabeça a matéria, “shmup”). 😉

  • Stormwatch

    Eliminate Down é melhor que todos esses. Mas também é raríssimo.